Cidades do Paraná, 1936

Um cinema-postal: As Cidades do Paraná, de João Baptista Groff (1936)

Rosane Kaminski, Larissa Busnardo

Resumen


Este artigo pretende discutir o filme silente Cidades do Paraná (Brasil, João B. Groff, 1936) a partir de suas implicações históricas e estéticas. O filme foi produzido por encomenda e composto de imagens documentais: um desdobramento dos filmes “naturais” comuns às primeiras décadas do século XX. Do ponto de vista estético, Cidades do Paraná chama a atenção por seu diálogo com cartões-postais e álbuns fotográficos, apontando para uma intermedialidade característica do cinema nos seus primórdios, e que persiste no filme de Groff. Em termos discursivos, além do caráter publicitário, o filme alinhava-se às discussões identitárias do seu contexto de produção. Cidades do Paraná mesclava ao nacionalismo emergente um conjunto de proposições “paranistas”, de ufanismo regional. Tais questões serão avaliadas a partir do lugar social e das experiências profissionais exercidas por João Baptista Groff, mais conhecido enquanto fotógrafo de vistas e postais, e como o editor da revista Illustração Paranaense.

Palavras chave: fotografia; documentário; cinema silencioso; João Baptista Groff; Paraná.

___________

 

Un cine postal: Cidades do Paraná, de João Baptista Groff (1936)

Resumen: Este artículo se propone discutir la película silente Cidades do Paraná (Brasil, João B. Groff, 1936) a partir de sus implicaciones históricas y estéticas. Fue un trabajo por encargo y se compuso con imágenes documentales: un despliegue de películas “naturales”, comunes en las primeras décadas del siglo XX. Desde el punto de vista estético, Cidades do Paraná llama la atención por su diálogo con postales y álbumes de fotografías, lo que apunta hacia una característica intermedial del cine en sus inícios, que persiste en la película de Groff. En lo discursivo, además del carácter publicitario, la película se alineó con las discusiones de identidad de su contexto de producción. Cidades do Paraná mezcló un conjunto de proposiciones “paranistas” de ufanía regional con el nacionalismo emergente. Tales asuntos serán evaluados considerando el lugar social y las experiencias profesionales de João Baptista Groff, más conocido como fotógrafo de vistas y postales, así como por ser editor de la revista Illustração Paranaense.

Palabras clave: fotografía; documental; cine silente; João Baptista Groff; Paraná

___________

 

A postcard cinema: Cidades do Paraná, by João Baptista Groff (1936)

Abstract: This article aims to discuss the silent film Cidades do Paraná (Brazil, João B. Groff, 1936) from its historical and aesthetic implications. As a commissioned work, it was composed by documentary images, an unfolding of the “natural” films, common in the early 20th century. From an aesthetic point of view, Cidades do Paraná draws attention for its dialogue with postcards and photo albums, pointing to an intermediality typical of cinema in its beginnings, and which persists in Groff’s film. In discursive terms, in addition to its advertising character, the film was aligned with the identity discussions of its production context. Cidades do Paraná mixed the emerging nationalism with a set of “Paranist” propositions of regional pride. Such matters will be evaluated considering the social place and professional experiences of João Baptista Groff, best known as a notable photographer of views and postcards, as well as editor of the magazine Illustração Paranaense.

Keywords: photography; documentary; silent film; João Baptista Groff; Paraná.

___________

 

Data de recepção: 19 de junho de 2021

Data de aceitação: 18 de outubro de 2021

___________


ARK CAICYT: http://id.caicyt.gov.ar/ark:/s24690767/kr24fcy8i



Texto completo:

PDF

Referencias


ALVETTI, Celina. O Cinema brasileiro na crônica paranaense dos anos trinta. Dissertação de Mestrado em Artes-Cinema. São Paulo, USP, 1989.

ALVES SANTOS, Francisco. “A trajetória do cinema no Paraná”. En: Dicionário de Cinema do Paraná. Curitiba: FCC, 2005, pp. 7-24.

ARAÚJO, Vicente. A Bela Época do Cinema brasileiro. São Paulo: Perspectiva, 1976.

AUMONT, Jacques. O olho interminável. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

BAHLS, Aparecida. Cine Luz: exemplo de modernidade e das transformações sociais de uma época. Trabalho de Especialização em História e Cidade. Curitiba, UFPR, 1993.

BERNARDET, Jean-Claude. Cinema brasileiro: propostas para uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

BRIZUELA, Natalia. Fotografia e Império: Paisagens para um Brasil Moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CESARINO COSTA, Flávia. O primeiro cinema: espetáculo, narração, domesticação. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2005.

____. “Figuras populares no documentário silencioso brasileiro”, Imagofagia, n. 8, 2013. Disponível em: Acesso: 6 de agosto de 2019.

Cinearte, ano I, n. 3, Rio de Janeiro, 17 de março de 1926.

____, ano I, n. 4, Rio de Janeiro, 24 de março de 1926.

____, ano I, n. 8, Rio de Janeiro, 21 de abril de 1926.

____, ano III, n. 107, Rio de Janeiro, 14 de março de 1928.

CUARTEROLO, Andrea. De la foto al fotograma: relaciones entre cine y fotografía en Argentina (1840-1933). Montevideo: CdF Ediciones, 2013.

Dicionário Histórico-Biográfico do Estado do Paraná. Curitiba: Editora do Chain/ Banco do Estado do Paraná, 1991.

D’ASSUNÇÃO BARROS, José. “Cinema e História: considerações sobre os usos historiográficos das fontes fílmicas”, Comunicação e sociedade, ano 32, n. 55, 2011. pp. 175-202.

GALIGNIANA, Juan. Construção social da memória em torno a João Baptista Groff e a ilusão biográfica. Dissertação de Mestrado em Sociologia. Curitiba, UFPR, 2016.

Gazeta do povo, Curitiba, 12 de maio de 1936.

GOMES, Gilvana. A Editora Guaíra: estratégias, sociabilidades e projetos políticos culturais (décadas de 1930-1940). Tese de Doutorado em História. Assis, Unesp, 2021.

GROFF, Maximiliano. O intrépido J.B. Groff e suas múltiplas facetas. Caderno de documentação. Curitiba: Cinemateca de Curitiba, FCC, 2009.

KAMINSKI, Rosane. “O primeiro cinema nas páginas das revistas curitibanas (1907-1913)”, Brasiliana: Journal for Brazilian Studies, v. 9, n. 1, 2020.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Ed. Unicamp, 1990.

LINHARES BORGES, Maria Eliza. História & Fotografia. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

LIVISKI, Izabel. Leituras da urbanização e da construção da identidade paranaense na fotografia de João Baptista Groff. Dissertação de Mestrado em Sociologia. Curitiba, UFPR, 2007.

LOPES PEREIRA, Luis Fernando. Paranismo: Cultura e Imaginário no Paraná da I República. Dissertação de Mestrado em História. Curitiba, UFPR, 1996.

____. O espetáculo dos maquinismos modernos: Curitiba na virada do século XIX ao XX. São Paulo: Blucher Acadêmico, 2009.

MAGALHÃES, Zália e Elizabeth Wagner. Cidades do Paraná. Catálogo. Curitiba: FCC, N.d.

MORETTIN, Eduardo. “Dimensões históricas do documentário brasileiro no período silencioso”, Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 25, n. 49. 2005, pp. 125-152.

PUPO CORREIA, Ana Paula. “Pelo Paraná Maior – As representações da arquitetura nas cidades de Curitiba, Ponta Grossa e Paranaguá, segundo documentários do início do século XX”, I Colóquio Internacional de História Cultural da Cidade. Porto Alegre, 2015.

SALES GOMES, Paulo Emílio. Uma situação colonial? São Paulo: Cia das Letras, 2016.

SALTURI, Luis. “O Movimento Paranista e a revista Illustração Paranaense”. Temáticas, Campinas, v. 22, n. 43, 2014.

STECZ, Solange. O cinema Paranaense, 1900-1930. Dissertação de Mestrado em História. Curitiba, UFPR, 1988.

TORELLO, Georgina. La conquista del espacio: cine silente uruguayo (1915-1932). Montevideo: Yaugurú, 2018.

TRUSZ, Alice. Entre lanternas mágicas e cinematógrafos: as origens do espetáculo cinematográfico em Porto Alegre (1861-1908). São Paulo: Ecofalante, 2010.

VIEIRA, Daniele. João Batista Groff, um olhar fotográfico no Paraná das primeiras décadas do século XX. Dissertação de Mestrado em História. Curitiba, UFPR, 1998.

XAVIER, Ismail. “Progresso, disciplina fabril e descontração operária: retóricas do documentário brasileiro silencioso”, ArtCultura, Uberlândia, v. 11, n. 18, 2009. pp. 9-24.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2021

Vivomatografías. Revista de estudios sobre precine y cine silente en Latinoamérica es una publicación de la Asociación de Estudios sobre Precine y Cine Silente Latinoamericano (PRECILA)

Esta revista se encuentra indexada en:

 

 

 


Síganos en: